Lúpus Eritematoso Sistêmico

0
831

O que é Lúpus?

Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença inflamatória que pode acometer praticamente todos os órgãos do corpo.

O que causa o Lúpus?

A causa é desconhecida, mas com certeza multifatorial. Há uma interação entre predisposição genética, fatores hormonais  agentes infecciosos ou ambientais que parecem provocar a perda da tolerância imunológica, levando o corpo a produzir anticorpos contra suas próprias células e estruturas como vasos sanguíneos, rins, cérebro, pulmões, coração, pele, articulações, células do sangue, intestinos, entre outros.

Quem pode ter Lúpus?

Pode acometer crianças e idosos sendo mais frequente no adulto jovem entre 20 e 30 anos. É cerca de 10 a 12 vezes mais frequente na mulher.

O Lúpus é uma doença crônica com períodos de atividade e períodos com poucos ou nenhum sintoma.

Quais os sintomas do Lúpus?

O início da doença do Lúpus pode ser agudo, ou seja, os sintomas aparecem de um dia para o outro ou então aparecem lentamente por semanas ou meses. Queixas de cansaço, perda de peso, febre podem abrir o quadro. Cerca de 80% dos casos apresentam manifestações da pele e mucosas.

O rash malar ou eritema em asa de borboleta é frequente. O nome Lúpus vem da sua localização na face, que lembra o rosto de um lobo. O rash malar não deixa cicatriz após a remissão da doença.

Outra manifestação cutânea é o Lúpus discoide (LD) que aparece principalmente em áreas expostas ao sol e couro cabeludo e ,nesses casos, deixa cicatrizes mesmo com o tratamento. O LD pode aparecer isoladamente sem que o paciente tenha o Lúpus sistêmico. Úlceras na boca, tipo aftas, queimaduras na pele à exposição ao sol, lesões bolhosas, pápulas, eritemas principalmente em áreas expostas do corpo são comuns.

A artrite está presente em até 90% dos casos e acomete pequenas, médias e grandes articulações. É extremamente dolorosa e não responde ao uso de anti-inflamatórios. Deformidades nas juntas é rara.

No sangue as células de defesa ou glóbulos brancos, glóbulos vermelhos e plaquetas podem estar diminuídos facilitando o aparecimento de sangramentos, infecções e anemia.

O comprometimento renal é frequente. Quando não tratado pode levar a perda da função renal e necessidade de hemodiálise e transplante renal.

No cérebro podem ocorrer inflamações que originam dores de cabeça, ansiedade, depressão, inflamação dos nervos do corpo, convulsões e psicose.

Comprometimento nos pulmões podem simular infecções. Pode aparecer líquido na pleura causando dificuldades para respirar. A membrana que envolve o coração também pode ser acometida e, em casos graves, o líquido pode impedir o coração de bater. A inflamação dos músculos do coração pode levar a arritmias cardíacas e hipertensão arterial.

O Fenômeno de Raynaud , que deixa as mãos roxas, pálidas ou avermelhadas na presença de tempo frio ou água gelada  é relativamente frequente nos pacientes com Lúpus. O fenômeno de Raynaud está presente em outras doenças reumáticas como Esclerodermia, Dermatomiosite, mas pode acorrer, em torno de 5% da população sem doenças auto-imunes. Podem acontecer inflamação dos vasos ou trombose dentro dos vasos sanguíneos.

Podem ocorrer inflamação nos olhos e nos intestinos causando úlceras isquêmicas.

Alterações menstruais são comuns.

Como é feito o diagnóstico do Lúpus?

O diagnóstico do LES é feito através dos sinais e sintomas e exames laboratoriais alterados, tais como: presença de anemia, diminuição de células de defesa, plaquetas baixas, anti-DNA positivo, Anti-SM, Anti-cardiolipina, anti-fosfolípedes , anti-coagulante lúpico e FAN positivo.

Quem tem FAN positivo tem Lúpus?

FAN positivo não significa LES e a maioria dos pacientes que tem FAN positivo padrão Pontilhado fino Denso não tem a doença.

Qual o tratamento do Lúpus?

O tratamento inicial é a base de corticoide em doses moderadas a altas. Antes da síntese do corticoide a maioria dos pacientes morriam em 2 anos. A partir da década de 80 com o uso de imunossupressores e, hoje, com o uso de medicamentos biológicos injetáveis, o controle da doença aumentou enormemente e os pacientes vivem praticamente tanto quanto os que não tem Lúpus.

DEIXE UMA RESPOSTA